13 April 2015

Simplicidade é tudo

Uma frase com apenas três palavras. Uma vida toda pra elaborar e a tomar como a frase que mais me inspira e me atrai. Uma frase incrivelmente poderosa em vários sentidos se fizermos uma profunda reflexão a respeito de sua semântica. Como pode algo como o simples ser tão grandioso a ponto de ser equiparado a máxima quantificação e ao mesmo tempo sinônimo de fácil, que não é complicado, mero ou ordinário, comum, que se opõe ao que é composto? Qual o sentido dessa afirmação? Nascemos e morremos simples. No intervalo entre esses dois renascimentos, intervalo esse que, concordemos aqui, é curto, corremos mais e mais em busca do não-simples, do sofisticado, do complicado, corremos para complicar ainda mais o que é complicado ou simplesmente complicar o que é simplesmente: simples! Viemos ao mundo e colocamos o ontem no agora e o agora no amanhã. Buscamos o que não é nosso, o que não é para ser nosso, o que é do outro, sendo que o simples, o comum, o mais fácil é ser quem somos: simples! Nos iludimos pensando que é mais fácil, portanto simples, enganar as pessoas, ferindo o eu-interior do próximo, sem ter a noção de que o simples é complexo em sua justiça, pois fazer o mau consiste em treinar o próprio eu-interior a se perturbar com o mundo exterior. Esquecemos ou simplesmente não aprendemos por não olharmos em nossa volta pra perceber que fortuna é a capacidade de ser e agir como se você não tivesse um tostão, mesmo tendo milhões. E o erro de querer ter mais do que temos implica em não sermos mais do que somos. Demagogia? Hipocrisia? Talvez, mas concordamos em uma coisa: Abrir mão é complicado. Mas tudo isso porque complicamos quando escolhemos Ter ao invés de Ser. Quanto mais simples vivemos, quanto mais valor damos às grandezas do coração, menos sentimos falta de tudo o que não Temos e percebemos que não precisamos Ter. Ironicamente, aqui, futilidade não é sinônimo de simplicidade. Complicado entender essa lógica do simples, não é mesmo? Tão complicado que se torna a cada dia a minha missão, objetivo, sonho... Nem tenho palavras para descrever, de tão complicado que é o simples. O simples me fascina, me move adiante e mostra mais sentido à vida a cada dia. Eu quero ter o simples, ser o simples, por mais difícil que seja. É um caminho complicado, doloroso muitas vezes, mas próximo. É um mundo que todos temos, mas que nem todos utilizamos e quando isso acontece, não é o suficiente. Ao contrário da famosa frase de Chris Carter na série Arquivo-X™, a verdade não está lá fora, está aqui dentro.