29 November 2011

Pra onde vai o mundo? Pra onde ele vai?

Há alguns anos o Brasil vem despontando como uma rica nação e em franco desenvolvimento. Esta semana mesmo, a presidente Dilma e o suposto boom do crescimento renderam sete páginas na respeitada revista estadunidense The New Yorker. Tudo isso em meio a uma crise sem precedentes no mercado mundial, que afeta principalmente a economia de países europeus.
Ainda essa semana, a própria presidente Dilma lançou um discurso que, a muitos ouvidos pode soar normal ou até acolhedor, mas que a meu ver não passou de uma declaração assustadora!
Disse ela, entre outras coisas, que o Brasil passará forte por essa crise graças a incentivos para que o consumo aumente, sustentando assim a forte economia do país. Que o país tem potencial para crescer, gerar riquezas e expandir o consumo, seja interno ou externo, disso se restam dúvidas elas são poucas.
Mas, a grande questão é, esse país tão importante para o futuro (menos trágico) do mundo, que detém a biodiversidade mais rica do planeta, está preparado para lidar com as consequências devastadoras de um consumismo desesperado e inconsequente? Estariam nossos líderes preocupados com a preservação dos recursos, controle e diminuição de poluentes, através de políticas de proteção ambiental inteligentes, rígidas e funcionais?
Vide o caso Belo Monte e tire suas conclusões a respeito de quão estamos preparados para lidarmos com nosso desenvolvimento econômico.
O Brasil deve sim manter o foco, continuar oferecendo oportunidades a cada vez mais cidadãos, porém, continuar errando como os grandes vilões da história será mais do que uma luta em vão, será garantir o ingresso do mundo no inferno da extinção.
Esse país tem tudo para se tornar a maior potência do mundo atual, mas isso se crescer de maneira inovadoramente sustentável, preservando o que o torna realmente o mais rico de todos. Temos capacidade, temos pessoas inteligentes que estão por aí, nas Universidades, desenvolvendo maneiras eficientes de tornar tudo isso possível. Basta agora aqueles que detêm o poder, fazer valer.
Se você não consegue se preocupar com uma geração sequer além da sua, favor ignorar o texto acima.


09 November 2011

EstUSPidez

por nada... mas há uns dois meses, mais ou menos, todos reclamavam da falta de segurança na USP-SP, inclusive com um caso de assassinato e vários assaltos. Me lembro nitidamente de todo mundo criticar o fato de a policia não estar ali presente...
Então, a policia aparece, e um bando de filhinho de papai, vestindo GAP e afins e fumando com o dinheiro da mesada, quebra tudo (aquilo que nós pagamos) sem causa alguma, ou pior, alguns alegando que o lugar da polícia é atrás de bandido (e será que eles por alguma vez pensaram na possibilidade de que eles próprios possam estar contribuindo com os citados bandidos?).
Contra a opressão dos militares? Sempre!
Mas... faça-me o favor essa (pouca) criançada da USP-SP... sou totalmente a favor de levarem é muita borrachada... e não é de Raider.
E se existir mesmo alguma causa que justifique tanta estupidez e a mídia estiver manipulando, que digam, que mostrem de alguma forma à sociedade, com atitudes verdadeiras, e não com demonstrações de rebeldia sem causa!

Complemento

‎"Em um País em que, infelizmente, a inclusão digital ocorre antes da inclusão moral e cívica" - Retirei esse trecho de um post no Facebook, vindo de um defensor dos estudantes. E me fez pensar:
Graças a tal inclusão digital citada, hoje o cidadão tem (por enquanto) poder de ser ainda mais forte do que a mídia manipuladora que sempre conhecemos nesse país. Infelizmente não é o que eu vejo nesse fato lamentável... Se existe alguma causa real e concreta por lado dos estudantes, algo está falhando na comunicação. Isso fica evidente quando vemos que entre milhares de estudantes (são 9.567 em vagas a cada vestibular), apenas 2.000 concordaram com a paralisação das aulas em protesto as ações da polícia.

Há meses os estudantes chilenos vivem dias tensos em protestos e confrontos. Porém, lá o objetivo é claro: Melhores condições da educação. Fica a dica.